Blog

  • 24 / 09 / 2014 Não Discuta Problemas, Busque Soluções!

    0 comentários
  • Segundo a filosofia, problema significa qualquer situação que inclua a possibilidade de uma alternativa e não deve ser confundido com dúvida, que é uma questão do ser, que ao ser solucionada se torna crença ou descrença. O problema, por sua vez, ao ser solucionado não deixa de ocorrer, necessariamente, dando origem ao conceito de problematicidade. Problema é a constatação de que um fenômeno observado não tem sentido único.

    Aristóteles observava o problema no campo da dialética: dado um problema constatado o indivíduo buscará, no caso dos problemas de ordem prática, à escolha ou à recusa, e nos de ordem teórica, a decisão de verdade ou de conhecimento. Ainda segundo o filósofo, problema pertencer ao campo da dialética é fundamental, pois esta é a esfera do discurso provável, onde não há verdade absoluta, onde não há ainda ciência. Desta forma dá-se a definição de indeterminação de um problema, algo que será superado pela atividade de investigação científica e posterior determinação deste.

    John Dewer (Lógica, 1939, Cap. VI) propôs uma boa definição de problema: é a situação que constitui o ponto de partida de qualquer indagação, ou seja, a situação é indeterminada. Ela se torna problemática no próprio processo de sujeição à indagação. A enunciação de um problema permite a antecipação de uma ideia sobre sua solução. A sistematização da ideia gera o raciocínio, que faz o desenvolvimento de suas questões inerentes. A solução real de um problema é sua determinação da situação embaraçosa inicial. Esta é uma situação unificada e contém relações constitutivas e distintivas.
    G. Boas (The Inquiring Mind, 1959, p.56) define problema como algo observável fora da norma. (Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre).

    Após a fundamentação de problema à luz da filosofia, sugiro o direcionamento de nosso olhar para o nosso cotidiano, a partir do significado prático de problema de acordo com o dicionário da língua portuguesa comentado pelo professor Pasquale Cipro Neto: (gr próblema) sm 1. Questão levantada para consideração, discussão, decisão ou solução. 2. Mat Toda questão em que se procura calcular uma ou várias quantidades desconhecidas. 3. Tema cuja solução ou decisão é difícil.

    A partir desta introdução, gostaria de abordar o cerne da questão, ou seja, o que fazer diante de uma situação problemática ou como devemos agir, se afinal de contas todos estamos sujeitos a passar por situações adversas? O grande equívoco é que a maioria das pessoas supervalorizam o problema e chegam a estabelecer discussões massacrantes que não levam a nenhum resultado prático, senão ao agravamento do problema, transformando, muitas vezes, um copo d’água em uma tempestade ou um gato domesticado em uma onça. São os conhecidos indivíduos “superlativos-negativos-absolutos-sintéticos”, ou simplesmente, pessimistas por natureza.

    Conheço e vivenciei situações em que sociedades foram desfeitas, casamentos chegaram ao divórcio, irmãos se tornaram inimigos, amizades de infância se romperam e outros tantos casos absurdos, porque não houve habilidade ou equilíbrio emocional de nenhuma das partes envolvidas no imbróglio que fosse capaz de propor o direcionamento do foco para as possíveis soluções. Em casos extremos algumas pessoas mais fracas chegam a ceifar a própria vida porque não conseguem encontrar uma única saída.

    Ainda muito cedo aprendi que “o tempo é o senhor da razão”, ou seja, sempre existe solução para qualquer problema, nós precisamos apenas ter paciência e buscar a tranquilidade necessária para enxergarmos o melhor caminho. Portanto, discutir ou valorizar problemas não é uma atitude inteligente.

    Compartilhe essa postagem.

      Tags: