Blog

  • 23 / 09 / 2014 Pontos Fortes E Pontos Fracos – Como é Que Você Os Administra?

    0 comentários
  • Com certeza esse é o nosso maior dilema da vida adulta. Será que você é a pessoa que disse que seria, quando respondeu pela primeira vez essa pergunta? E quando respondeu, sonhar era, para você, certamente alguma coisa totalmente possível.
    Mas com o passar do tempo, tudo muda. As pressões surgem de todas as partes. São convenções sociais, os “pitacos” dos amigos e “amigos”, os melhores caminhos dos pais (e/ou parentes) etc. Tudo para dificultar um pouco mais a realização de um sonho.
    As pressões são diversas e embora você não as perceba claramente elas atuam de forma velada através da preocupação e desejos dos pais pelo “sucesso” de seus filhos, dos exemplos de dentro da família de profissionais bem e mal-sucedidos, da comparação que inconscientemente fazemos com a evolução dos nossos amigos e das investidas contínuas da mídia que procura traçar um perfil único de sucesso.
    Adultos experientes e maduros, muitas vezes, têm dificuldade de responder a isso, imagine um adolescente ou um jovem, ainda engatinhando na vida real.

    O momento da escolha de uma profissão coincide com a fase de desenvolvimento, na qual o jovem está se descobrindo, quando ele está definindo a sua identidade: quem ele quer ser e quem não quer ser.
    Nessa fase os conflitos familiares começam a aparecer. As expectativas e desejos dos pais vão se colocando de forma mais explicita e acabam por confundir o jovem, até que ele aprenda, por experiência própria, a diferenciar de quem são as vontades ou os sonhos.
    Na verdade nesse momento os pais tentam despejar suas frustrações, por sonhos não alcançados, em seus filhos, querendo que eles (filhos) sejam o que eles (pais) não conseguiram ser.

    O que é que isso tem a ver com Coaching? Eu respondo: TUDO!

    Quando conheci o Processo Coaching pude comprovar seu poder de produzir mudanças positivas e duradouras nas pessoas. Aprendi que o processo é uma oportunidade ímpar de visualização clara dos pontos individuais, de aumento de autoconfiança e de quebra de barreiras de limitação para que elas possam conhecer e atingir seu potencial máximo e alcançar suas metas. Pude vivenciar os efeitos do Coaching em minha vida diariamente e enxergar além do óbvio. Consegui ultrapassar a linha do comum e reestruturar minha missão de vida.

    Depois de tudo isso, de forma muito mais clara, consigo ver que não poderei viver a vida de meus filhos. Que não posso querer que eles vivam a vida que eu queria para mim e, por algum motivo interno ou externo, deixei escapar a oportunidade. Minha atitude junto a eles, é de apoio e, se solicitado, de orientação, e só. Não posso querer ensiná-los, preciso deixá-los aprender.

    Está resolvido: quando meus filhos estiverem escrevendo a história de suas vidas, não vou querer segurar suas mãos e direcionar suas canetas. Vou ficar acompanhando, incentivando e aplaudindo quando eles chegarem ao final de cada uma das páginas que escreverem para si. Assim serão realizados e felizes, tenho certeza absoluta.

    E você? Como é que vai se comportar quando for a sua vez? Pense nisso. Reflita e tome uma atitude.

    Abraço e boa sorte.

    Compartilhe essa postagem.

      Tags: